A Esquizofrenia!

A esquizofrenia é uma doença grave e multifacetada, que afeta quase 21 milhões de pessoas em todo o mundo! Atendendo à variedade das suas manifestações, é habitual falar-se não apenas de uma esquizofrenia, mas de esquizofrenias.

Em termos clínicos, trata-se de uma patologia do cérebro que afeta de forma grave a capacidade de pensar da pessoa, a sua vida emocional e o seu comportamento global. Neste processo, são desencadeados vários sintomas, aos quais comummente chamamos “sintomas psicóticos”. Normalmente, os sintomas são classificados de acordo com uma das duas tipologias de sintomas: os sintomas positivos e os sintomas negativos. Os  “sintomas positivos”, referem-se a alucinações (ver ou ouvir coisas que não existem), delírios (crenças de natureza bizarra ou paranoide desenquadradas do entendimento do senso comum) e podem ter associação a dificuldades cognitivas (atenção, concentração e abstração); por sua vez, os “sintomas negativos”, que traduzem uma espécie de dessubstancialização da personalidade, implicam  a diminuição ou perda da vontade, a apatia, o embotamento emocional e afetivo e sintomas afetivos, como ansiedade, depressão e outras alterações emocionais.

Até hoje continua por esclarecer de forma clara e inequívoca a etiologia da esquizofrenia. Todavia, pensa-se que diferentes fatores, como os genéticos, ambientais ou uso de drogas e outras substâncias ilícitas, podem contribuir para o desenvolvimento da esquizofrenia.

Embora nem sempre aconteça desta forma, geralmente, os primeiros sinais de esquizofrenia têm início durante a adolescência ou no início da idade adulta. Tanto os homens como as mulheres podem vir a desenvolver esquizofrenia, sendo que nos homens os sintomas tendem a surgir um pouco mais cedo.

Pela severidade dos sintomas implicados, a esquizofrenia assume um grande impacto na vida dos doentes, podendo influenciar gravemente o seu estilo de vida e a participação e imagem social. Note-se que os défices cognitivos e os sintomas negativos, são os principais fatores concorrentes para o prejuízo ao nível do funcionamento social e integração social.

Um estudo realizado em Portugal (2015) por uma equipa Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (“O custo e a carga da esquizofrenia em Portugal”) concluiu que a prevalência da esquizofrenia em Portugal “será de cerca de 48 mil doentes”, dos quais 7 mil não têm acompanhamento médico. Os custos com esta doença atingem os 436,3 milhões de euros anuais!

Estes dados são, sem dúvida, preocupantes e deveriam servir de alerta para o desenvolvimento de um “olhar mais atento” e uma atitude preventiva no âmbito do apoio e acompanhamento médico e sociocomunitário destes doentes!

O diagnóstico da Esquizofrenia e a definição da abordagem terapêutica de cada pessoa deverá ser orientado pela história clínica e pelo resultado da avaliação psicológica.

Idealmente, o tratamento da patologia deverá ter base uma intervenção multimodal que passa pela prescrição de medicação antipsicótica, psicoterapia e outras formas de apoio sociocomunitário com o objetivo de reduzir ou eliminar os sintomas, de modo a otimizar a participação do indivíduo nas atividades diárias e reduzir o número de recaídas.

Necessita de mais informações? SIM, fale connosco!

 

Bibliografia:

O custo e a carga da esquizofrenia em Portugal. (2015). Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, Centro de Estudos de Medicina Baseada na Evidência

Sabia que…

Sabia que consumo de álcool dos portugueses alterou-se durante o…
Sabia que
Menu