Cannabis e o risco de psicose

A cannabis deriva da planta indiana Cannabis Sativa, que contém cerca de 500 compostos químicos, com predomínio de canabinóides. De entre os vários tipos de canabinóides existentes, o Δ9-tetrahidrocannabinol (THC) é o principal e mais potente componente psicoativo, cujos efeitos serão mais fortes, quanto maior for a concentração de THC consumida (Jain & Balhara, 2008).

Muitos estudos têm apontado que o consumo de cannabis está diretamente relacionado com alterações nos processos de memória, atenção e aprendizagem em consumidores crónicos (Solowij & Battisti, 2008). Para além disso, podem também ocorrer modificações ao nível da velocidade de processamento, tomada de decisão, raciocínio, flexibilidade cognitiva, entre outras funções cognitivas que podem ser mais evidentes em tarefas que exijam formação de conceitos, organização, planeamento e capacidade de sequenciação (Thames et al., 2014).

Estudos demonstram também que quando o consumo é iniciado antes dos 17 anos parece ter efeitos cerebrais mais críticos, relacionados com menor volume cerebral, menor percentagem de substância cinzenta cortical e maior de substância branca, comparativamente com os consumidores mais tardios (Solowij & Battisti, 2008). Esta alteração estrutural pode refletir o declínio cognitivo precoce (van den Heuvel et al., 2006).

O uso de cannabis durante o período neurodesenvolvimental pode ainda danificar o processo normal da neuromaturação, razão pela qual a expansão do consumo de cannabis aparenta relacionar-se com o aumento dos episódios psicóticos em adolescentes e jovens adultos, em indivíduos biologicamente vulneráveis (Radhakrishnan, Wilkinson, & D’Souza, 2014). As investigações têm demonstrado que os jovens consumidores têm maior risco de desenvolver esquizofrenia do que os jovens que não consomem esta droga.

Necessita de mais informações? SIM, fale connosco!

 

Referências:

Jain, R., & Balhara, Y. P. (2008). Neurobiology of cannabis addiction. Indian J Physiol Pharmacol, 52(3), 217-232

Radhakrishnan, R., Wilkinson, S. T., & D’Souza, D. C. (2014). Gone to Pot – A Review of the Association between Cannabis and Psychosis. Front Psychiatry, 5, 54. doi: 10.3389/fpsyt.2014.00054

Solowij, N., & Battisti, R. (2008). The chronic effects of cannabis on memory in humans: a review. Curr Drug Abuse Rev, 1(1), 81-98.

Thames, A. D., Arbid, N., & Sayegh, P. (2014). Cannabis use and neurocognitive functioning in a non-clinical sample of users. Addictive behaviors, 39(5), 994-999. doi: 10.1016/j.addbeh.2014.01.019

van den Heuvel, D. M. J., Dam, V. H. t., de Craen, A. J. M., Admiraal‐Behloul, F., Olofsen, H., Bollen, E. L. E. M., . . . van Buchem, M. A. (2006). Increase in periventricular white matter hyperintensities parallels decline in mental processing speed in a non‐demented elderly population. Journal of Neurology, Neurosurgery, and Psychiatry, 77(2), 149-153. doi: 10.1136/jnnp.2005.070193

Sabia que…

Sabia que consumo de álcool dos portugueses alterou-se durante o…
Sabia que
Menu